Financiamentos

Crédito Imobiliário estima novo recorde em 2022

17.01.2022

Em 2021 o crédito imobiliário atingiu mais de R$ 200 bilhões em financiamentos

Segundo projeções do mercado, o país atingiu um nível recorde no país em 2021, mais de R$ 200 bilhões em financiamentos, o que significa a realização do sonho da casa própria para muitas famílias. Para 2022 as perspectivas também são positivas, uma vez que a aquisição de imóveis é considerada um investimento sólido e uma saída para quem deseja se livrar do aluguel.

O último balanço divulgado pela Abecip, Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança, foram financiados com recursos da poupança 804,3 mil imóveis no país entre janeiro e novembro de 2021, um resultado 116,9% superior ao mesmo período do ano anterior.

Cristiane Portella, presidente da entidade, ressaltou que algumas linhas de crédito podem apresentar alta na taxa de juros cobrada. "No ano passado, houve recorde em todas as linhas de financiamento, em volume de crédito e em número de imóveis. Apesar da alta dos juros e da inflação, esperamos que 2022 seja um ano também positivo", afirmou.

Segundo o diretor de Negócios Imobiliários, Sandro Gamba, o ano de 2022 tende a apresentar uma maior gama de novos imóveis, devido ao volume de lançamentos entre 2019 e 2020. Porém, os financiamentos de imóveis usados continuarão predominando na carteira do banco e do mercado.

Segundo projeções do mercado, o país atingiu um nível recorde no país em 2021, mais de R$ 200 bilhões em financiamentos, o que significa a realização do sonho da casa própria para muitas relojes replicas famílias. Para 2022 as perspectivas também são positivas, uma vez que a aquisição de imóveis é considerada um investimento sólido e uma saída para quem deseja se livrar do aluguel.

O último balanço divulgado pela Abecip, Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança, foram financiados com recursos da poupança 804,3 mil imóveis no país entre janeiro e novembro de 2021, um resultado 116,9% superior ao mesmo período do ano anterior.

Cristiane Portella, presidente da entidade, ressaltou que algumas linhas de crédito podem apresentar alta na taxa de juros cobrada. "No ano passado, houve recorde em todas as linhas de financiamento, em volume de crédito e em número de imóveis. Apesar da alta dos juros e da inflação, esperamos que 2022 seja um ano também positivo", afirmou.

Segundo o diretor de Negócios Imobiliários, Sandro Gamba, o ano de 2022 tende a apresentar uma maior gama de novos imóveis, devido ao volume de lançamentos entre 2019 e 2020. Porém, os financiamentos de imóveis usados continuarão predominando na carteira do banco e do mercado.

Comentários